Queremos muito ao Flash. Nós amamos a versão vintage, com Jay Garrick. O histórico de Barry Allen, que perdeu a vida em Crise, nos anos 80, mas que voltou há vários anos. E Wally West, é claro, o “sidekick” -companheiro jovem do protagonista – que cresceu e que abandonou o traje de Kid Flash para se transformar em um herói de fato e de direito.

O que? Como a nota é sobre o ADOBE FLASH? O avisem antes que já tinha escrito um parágrafo inteiro!

Leia também
Flash e a origem de Reverse Flash, o seu pior inimigo

Desde que os celulares, em geral, e o iPhone em particular, coparon Internet, se sabia que a plataforma Adobe Flash estava mais perto de The Walking Dead que do velocista dos quadrinhos. Isto é, um morto em vida. O principal culpado? Nada menos que Steve Jobs, que proibiu seu uso em dispositivos Apple.

Adobe sabia disso, e decidiu colocar a data do óbito para a plataforma: 2020. Até esse ano, a empresa manterá suporte, para lhe dar tempo a seus clientes a migrar para outras soluções. Nos últimos anos, a maioria das empresas que haviam começado a usar outros padrões, como o HTML5, WebGL ou WebAssembly.

A empresa, além disso, continuará trabalhando até esse momento, com Apple, Facebook, Google, Microsoft e Mozilla para manter a segurança do plugin em seus respectivos sistemas operacionais e navegadores.

E os usuários? Evitar ter que ficar atualizando um plugin irritante, que muitos nem sequer sabiam o que era. Ó alegria!

 

Origem: tn.com.ar