“a H&M chega ao Brasil e nós temos ordens de compras para os nossos primeiros 100.000 seguidores. Participa: sobe um screenshot a sua história e etiquétanos”, rezava a biografia de @hym_ar, a suposta conta local da famosa cadeia de vestuário. É real? Não, completamente falsa.

o que fazem essas contas? Simples: reunir seguidores e vender a conta, a que se lhe muda o nome. Desta forma, esta conta, @hym_ar se pode transformar em @juan_perez e o senhor teria a mesma quantidade de seguidores, que nunca escolheram seguir suas publicações.


É legal fazer isso?

Estas não são prática avalizadas pela plataforma e estão proibidas. Mesmo ao aceitar os termos e condições, essas coisas que todos nós aceitamos, mas nunca lemos, estão claramente penalizadas.

“Nossos Termos de serviço proibem a venda, transferência ou cessão de contas, seguidores, nome de usuário ou direitos sobre um perfil para terceiros. Contamos com a nossa comunidade para denunciar conteúdos ou contas que violem as nossas políticas e temos equipes especializadas, que revisam os relatórios para garantir que o Instagram continue sendo um lugar seguro”, afirmaram do Instagram a TN.com.ar.

As três chaves desses golpes

Como se criminaliza essas práticas? Com a baixa das contas. Poucos dias depois de sua viralização, quando você acessa https://www.instagram.com/hym_ar/ parece que a conta não está disponível.

Como descobrir se as contas são reais? , As grandes empresas, como pode ser o caso da H&M, costumam ser verificadas. Se não vemos o til azul, o melhor é desconfiar. Além disso, as contas das empresas costumam ter informações de contato clara.

Como as descubra Instagram? Mas, você precisa de equipamentos que monitoram as atividades, o melhor é a contribuição dos usuários. Se as pessoas as denúncia (ao clicar nos três pontos ao lado da caixinha de “continuar a/seguindo”).

Origem: tn.com.ar