O site do Wikileaks foi hackeada pelo grupo denominado OurMine Team -reconhecido por se infiltrar em redes de personalidades públicas-, o qual foi adjudicado o ataque através de uma mensagem publicada na página principal, que alertava sobre a “falta de segurança” do site fundado pelo australiano Julian Assange.

“Olá, nós somos OurMine (um grupo de segurança), não se preocupem que só estamos testando a….blablablab, ah, mas esperem, porque isto não é um teste de segurança! Wikileaks, lembram-se quando nos desafiaram a que lhes fizéssemos um hack?”, dizia uma parte da mensagem publicada no Wikileaks.

Here are the hostile nameservers that appears to be linked with the attack on https://t.co/wSclg6EDHf DNS (h/t @protoxin_) #WikileaksHack pic.twitter.com/TR25gdmNAa

— x0rz (@x0rz) 31 de agosto de 2017

A mensagem era visível quando se acedia ao site a partir de certos lugares durante a manhã de quinta-feira, enquanto alguns usuários encontraram-se com uma publicação que indica que a conta do Wikileaks havia sido suspensa.

No Twitter, circula um comunicado por parte de OurMine, assegurando que lhes hackearon porque “há alguns meses haviam desafiado a fazê-lo”. Dizem ter trabalhado muito tempo neste hack, e se alegram por fim tê-lo conseguido.

No ano passado, OurMine hackeó a conta do CEO do Twitter, Jack Dorsey e a página no Quora do CEO do Google, Sundar Pichai.

Este grupo de invasores de computador também esteve por trás de ataques cibernéticos a sites Variedade e BuzzFeed, depois que o site de notícias publicar um artigo que expõe a um de seus membros. No início de agosto OurMine foi parte do hack, para as contas de Twitter de HBO e sua popular série Game of Thrones.

De acordo com o site de tecnologia The Verge, o momento, nenhum porta-voz do Wikileaks deu declarações sobre o recente incidente.

Origem: tn.com.ar