Bianca Vanni é uma mulher de Córdoba, que teve um problema: você esqueceu a carteira e não a deixaram passar no pedágio. O supervisor do local, Martín, não se mostrou muito compreensivo. Mesmo chamou a polícia para tratar da situação. O que ela pedia? Como exceção, que a deixassem passar sem pagar os 25 pesos correspondentes.

Bianca teve sorte: outro motorista decidiu pagar seu pedágio e evitar o mal gole. Mas ela se sentiu mal, humilhada. Decidiu fazer-lhe um presente ao supervisor, um saco de criollitos “da padaria mais rica de Córdoba”. E deixou-50 pesos para cobrir as despesas de qualquer outra pessoa que lhe poderia acontecer o mesmo.

A carta de Bianca rapidamente se viralizó no Facebook: já acumula 100 mil “curtir”, 60 mil “compartilhados” e mais de 20 mil clientes.

Aqui, o texto completo que Bianca lhe a dedicar-se ao supervisor do pedágio.

Para Martín, o supervisor do pedágio da rota E53 (córdoba, Salsipuedes):

Olá Martin, eu sou a pessoa a quem não deixou passar no pedágio por me ter esquecido a carteira no dia Terça-feira 22 de Agosto. Longe de insultarte e lembrar-lhe o mal que me fizeste o motivo de minha carta é para lhe agradecer por me fazer chorar e me humilhar nesse dia, chamando a polícia para que me tirassem como se fosse um criminoso. Obrigado a me deparar com pessoas tão desumana como você, sua empregada e o policial que acordou para mostrar sua burocracia, me ajuda a ser uma pessoa melhor, a me colocar no lugar do outro, entender que o mesmo que acontece a minha pode passar para o outro.

finalmente, Quando um cidadão comum como eu, humano e, certamente, mais solidário que vos; eu colaboro com seus vinte e cinco pesos e lhe disse: “Deus te abençoe”, digo de coração. Espero que isto te sirva para refletir sobre como desenvolver a capacidade de te colocar no lugar do outro, não somos todos ventajistas, não me interessa roubar vinte e cinco pesos (dos quais se que não colocá-los a vós, e tampouco o policial que acordou, mas nós mesmos com a quantidade de prata que por todos os lados nos roubam a partir de lugares diferentes burocratas). E eu te respondo a pergunta que me ter gritado quando eu fui: Quem é você?. Não sou a filha de nenhum político, nenhum governante, nenhum chefe de vocês para poder sobornarte que me deixes passar grátis como você tenha vivido; também não sou uma ventajista das que são colados atrás dos carros e quando se levantam da barreira passam sem pagar tornando-os boludos… Não! Sou uma simples estudante, trabalhadora e esperançosa de que as pessoas como você possam alterar estes comportamentos para ser uma pessoa melhor. Algum dia pode te passar a você, espero que não! E não tenha que passar a vergonha que me fez passar você.

eu Te mando um quarto de criollitos na padaria mais rica de córdoba, me deixou 22 pesos (quase que não quis perdoar-me por esquecer a carteira). E, Além disso, deixo de 50 pesos dentro do saquinho, para que, quando duas boludos como eu se esqueçam da carteira também possa contar com essa prata. Se minha me interessa colaborar com o próximo, e não tenho problema de colocar prata do meu bolso para ajudar os outros. Ser solidário não é dar o que te sobra Martin, é justamente de seu único alfajor que é a sua única lanche poder fendê-metade e que alguém tão faminto como você pode encontrar algo de sua necessidade e de fome. Talvez não fizeste Jardim de Infância; lá trabalhamos a capacidade de compartilhar. Saudações. BIANCA

Origem: tn.com.ar